sábado, 4 de agosto de 2012

VEÍCULOS DA GCM - SP TERÃO CÂMERAS ANTIPIRATARIA



São Paulo - A Guarda Civil Metropolitana (GCM) vai apostar na tecnologia para aumentar a fiscalização sobre o comércio de produtos piratas na capital.té o fim do ano, a Prefeitura de São Paulo pretende adquirir 40 câmeras móveis, que serão instaladas em viaturas e motos. Os novos equipamentos podem ser programados para procurar alvos específicos, como um caminhão que tenha o símbolo de determinada empresa, por exemplo.
As câmeras móveis devem ajudar a GCM a descobrir rotas usadas pelos grupos que controlam a pirataria em São Paulo e a encontrar fábricas e galpões onde as mercadorias são produzidas e armazenadas. O projeto é que as imagens gravadas por esses equipamentos sejam compartilhadas com a Receita Federal e as Polícias Civil e Federal, que já investigam a atuação de quadrilhas especializadas no comércio ilegal na cidade.
A compra faz parte de um pacote de 500 câmeras que operam com um sistema de monitoramento conhecido como reconhecimento ótico de caracteres (OCR, na sigla em inglês). A minuta do edital está disponível para consulta pública desde maio e a licitação deve ser publicada “nas próximas semanas”, segundo o secretário municipal de Segurança Urbana, Edsom Ortega.
“A câmera OCR registra os caracteres que você definir. Vamos supor que você esteja procurando um caminhão vermelho com a inscrição ‘Mudanças Santa Terezinha’. Quando esse veículo passar pelo local onde a câmera está filmando, ela vai emitir um alarme na central e, em um minuto, a guarda pode montar um bloqueio”, afirma o secretário.
O termo de referência da licitação propõe que 30 câmeras sejam preparadas para ser instaladas em viaturas da GCM ou em carros descaracterizados e 10 sejam colocadas em motos. As demais câmeras do edital serão distribuídas em 166 pontos fixos, principalmente nos limites da cidade e nas estradas que abastecem o Município.
Tributo
O uso da tecnologia no combate à pirataria é importante, mas não vai sozinho resolver o problema, de acordo com o advogado Márcio Costa de Menezes e Gonçalves, secretário executivo do Conselho Nacional de Combate à Pirataria e Delitos contra a Propriedade Intelectual do Ministério da Justiça entre 2005 e 2006. “É uma ferramenta importante, mas é provável que os criminosos também possuam uma tecnologia semelhante para ajudá-los.”
Gonçalves acredita que São Paulo acertou ao juntar órgãos estaduais e federais nas ações antipirataria. “Às vezes, a GCM faz uma apreensão e encontra um livro-caixa, que vai ajudar a polícia a chegar aos chefes da quadrilha. É preciso ter união de esforços e persistência para perdermos a sensação de que as apreensões são como enxugar gelo.”
Ortega também defende a eficácia das últimas medidas adotadas pela Prefeitura. “São Paulo era considerada o Paraguai do Brasil tamanha a quantidade de mercadoria pirata que era encontrada aqui.” 
As informações são do jornal O Estado de São Paulo.
Fonte: http://info.abril.com.br
Postar um comentário