quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Em campanha, Russomanno evoca Jânio Quadros e diz que vai 'botar Guarda Civil Metropolitana na rua

Por: Tadeu Breda, da Rede Brasil Atual
Memória do prefeito que criou Guarda Civil Metropolitana foi lembrada pelo líder nas pesquisas pela prefeitura de São Paulo. Se eleito, representante do PRB diz que usará Constituição para colocar guardas municipais para fazerem revista e darem voz de prisão.
Para o candidato do PRB, a PM de São Paulo não é violenta. Pelo contrário, precisa de apoio 
(Foto: Paduardo/Arquivo Folhapress)
São Paulo – O candidato do PRB à prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, evocou hoje (25) a figura do ex-presidente e ex-prefeito Jânio Quadros para explicar a remodelação que pretende impor à Guarda Civil Metropolitana (GCM) caso vença as eleições. “Quero ressuscitar a GCM do Jânio Quadros, que era eficiente e ajudava a população”, comparou, ao ser questionado se não estava revitalizando o jargão malufista da “Rota na rua” como política de segurança para a cidade.
Jânio Quadros governou a capital em três ocasiões: de abril de 1953 a julho de 1954, entre janeiro e fevereiro de 1955 e de 1986 a 1988. Foi em seu último mandato como prefeito de São Paulo que criou a GCM – mais precisamente, em 1986, com a aprovação da Lei municipal 10.115. No artigo 1º, a legislação janista atesta que à Guarda caberá “a vigilância dos próprios municipais e colaboração na segurança pública”. Mais tarde, em 1999, durante a gestão do prefeito Celso Pitta (1997-2000), as atribuições da GCM foram ligeiramente modificadas: à corporação “caberá a proteção e a vigilância dos bens, serviços e instalações municipais e a colaboração na segurança”.
“Vou trabalhar em cima do que estabelece a Constituição e o Código de Processo Penal, que diz que qualquer pessoa do povo pode e a polícia deve prender quem quer que se encontre em flagrante delito, ou seja, cometendo um crime”, explicou Russomanno. “Se qualquer um do povo pode, inclusive você, significa que a GCM também pode – e pode também apreender produtos ilícitos, drogas e armas, e fazer revistas no cidadão. Portanto, a GCM vai pra rua dar voz de prisão quando for necessário e fazer revista em quem tiver que ser feita.”

Este ano, a gestão Gilberto Kassab (PSD) orientou os guardas a agir com rigor contra a população de rua e a evitar que os moradores fiquem em torno do prédio da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, no centro. Em ação apresentada em setembro, o Ministério Público Estadual questiona a atribuição constitucional da GCM e pede que a prefeitura proíba seus homens de bater, chutar e retirar os pertences dos cidadãos mais vulneráveis. 
O candidato do PRB disse ainda que a Polícia Militar de São Paulo não é violenta e que, pelo contrário, precisa de mais apoio. “Fiz um curso na Highway Patrol da Califórnia, nos Estados Unidos, e o capitão disse pra mim que a polícia na rua tem que ser respeitada”, contou. “As mortes de policiais que estão ocorrendo em São Paulo mostram que, infelizmente, a polícia não é respeitada.” Questionado se a PM tem respeitado a população, sobretudo nas periferias da cidade, o candidato desconversou: “A justiça civil e militar deve tomar uma providência sobre o que está errado. Mas a polícia tem é que estar na rua, protegendo a população.”

Postar um comentário