quinta-feira, 4 de julho de 2013

POR QUE?

As unidades têm recebido muitos informativos do comando geral, uma ação muito bem vinda, em relação ao passado, mas que pode esconder algo ruim. Um faz exaltação em relação ao pagamento do prêmio desempenho, com um histórico unilateral sobre o assunto.
Faremos o nosso também.
Em 2009, Durante a greve, a Prefeitura de Kassab, Ortega e Malta ofereceu como proposta as gratificações de motorista, de unidade estratégica, de desempenho e de operação diferenciada em grandes eventos, esta ultima ainda não aprovada.
A Categoria rejeitou a proposta e continuamos em busca da equiparação com o nível médio e a elevação do RETP dos 60% para 140%.
Em 2010 o RETP sobe para 80%, em 2011 é publicada a lei 15.359 que equipara o padrão de vencimento inicial da GCM 511, com a carreira de nível médio. R$ 645,71 para janeiro de 2012.
A luta contra a o Mundo de Bob e seus fiéis seguidores nos trouxe essa vitória.
Mas o caminho foi percorrido a duras penas, com rodízio de coletes, falta de papel higiênico para uso dos trabalhadores da Guarda, falta de profissionais para realizar a limpeza das unidades e toda sorte de deficiências administrativas.
Hoje a Cidade está sob uma nova administração assim como a segurança urbana, porém algumas mazelas ainda perduram, como a precariedade das estruturas em eventos, o assédio moral, a interminável operação na área da Inspetoria da Fó, a não ratificação do porte particular pelo comando como prevê a lei 10826.
Então olhando estes dois lados da moeda suscitam perguntas.
Por que só agora vemos a manifestação do comando a cerca do Premio desempenho?
Será que os Comandantes Regionais estavam loucos em 2012? Pois nas reuniões com o efetivo eles afirmavam que o Premio 2012 seria pago em dezembro de 2012.
Por que após seis meses da saída do Secretário Ortega o Comando ainda não ratificou o porte, uma vez que o convênio de 2006 foi apenas renovado em seus termos e não ampliado?
Por que alguém teve desempenho questionável à frente do Comando Geral é agraciado com uma transferência para o Tribunal de Contas do Município, enquanto GCM’s que foram feridos em serviço e estão readaptados são “agraciados” com transferência para DTOS e colocados para trabalhar em escalas diferentes da que estavam quando foram feridos?
Por que uma determinação antiga do Subcomandante foi rapidamente derrubada? A que autorizava a participação do SindGuardas-SP nas Reuniões. Essa só foi restabelecida após o Secretário Porto ordenar a autorização da participação do SindGuardas-SP nas reuniões das Unidades.
Por que?
Postar um comentário