quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Central de câmeras de Mogi das Cruzes poderá se integrar com sistema da Polícia Militar


Na manhã desta quinta-feira (17), o Secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Fernando Grella Vieira, esteve na Prefeitura de Mogi das Cruzes para conhecer a Central Integrada de Emergências Públicas (Ciemp).
Em uma reunião no gabinete do prefeito Marco Bertaiolli, Vieira foi apresentado ao sistema de segurança pública municipal que trabalha com câmeras espalhadas nos principais pontos da cidade. Ao todo são 283 equipamentos, mas 19 estão em manutenção.
Secretário de Segurança Pública apoia integração direta com o COPOM.
Central de câmeras de Mogi das Cruzes trabalha com 283 equipamentos.

Durante o encontro, o secretário Municipal de Segurança, Eli Nepomuceno, mostrou algumas ocorrências captadas pelas câmeras de monitoramento. A partir da discussão da metodologia da central, o Comando Geral da Polícia Militar sugeriu a ligação direta das imagens com o sistema da polícia.
Atualmente, na sala de operação da Ciemp, um policial militar fica 24 horas a postos para informar as viaturas sobre as situações suspeitas. A ideia seria que as imagens captadas pela central fossem diretamente para a sala do Comando de Operações da Polícia Militar (Copom).
Além de elogiar a política de segurança do município, o secretário de Segurança Pública ainda apoiou a ampliação do sistema a partir da integração com o Copom. "Vivemos um momento difícil e precisamos reverter esse quadro com ações integradas. As câmeras auxiliam tanto na prevenção quanto na investigação dos crimes. A recomendação do Estado é para que se trabalhe em conjunto. As imagens são dados importantes e seria bom uma integração direta com o Copom", 
A prefeitura e a Polícia Militar da região agora devem estudar como essa parceria pode ser feita para que o sistema seja ampliado. "Achamos uma excelente ideia. Agora precisamos discutir tecnicamente esse avanço operacional, que, na prática, já existe", diz Nepomuceno.
Furtos, roubos e acidentes são registrados diariamente pelos guardas municipais na sala de situação da central. Em média, são flagrados pelos equipamentos três casos por semana.
Bloqueador de celulares
Durante a visita a Mogi das Cruzes, o secretário Fernando Grella Vieira também comentou sobre o sistema de bloqueio de sinal de celulares, que está sendo testado, em segredo, desde outubro de 2012 no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mogi das Cruzes, região Metropolitana de São Paulo. "O que sei é que estão sendo feitos testes de funcionalidade dos produtos, por isso o sigilo. Essa foi uma decisão do governador Alckmin e das secretarias de Planejamento e de Administração Penitenciária, que estão à frente destes testes."
O bloqueador faz com que as ligações feitas de dentro da unidade não sejam completadas. O sistema foi desenvolvido por uma empresa brasileira e tem o custo de instalação de R$ 600 mil. Só nos primeiros nove dias dos testes foram detectados 1.513 chips dentro da cadeia, mas é preciso levar em conta que este número inclui os aparelhos dos 264 funcionários e também os de visitantes.
Postar um comentário