sexta-feira, 26 de abril de 2013

Ônibus contra crack vira destaque em feira de segurança em SP

O modelo do ônibus que será usado no programa federal contra o crack foi apresentado na feira de tecnologia que termina nesta quinta-feira (18) em São Paulo. A partir de maio, a expectativa é que unidades estejam disponíveis para apoiar o policiamento na capital. A unidade móvel, capaz de enviar informações em tempo real à polícia, possibilitará a ação imediata contra traficantes ou a identificação de suspeitos.
O Ministério da Justiça anunciou, na semana passada, que a capital paulista receberá 11 dessas bases móveis para monitoramento de áreas como a Cracolândia, na região central de São Paulo, dentro do programa "Crack, é possível vencer".
Procurada pelo G1, a Prefeitura de São Paulo não informou os locais onde eles devem ser utilizados.
Ônibus com nova tecnologia é apresentado em feira de São Paulo (Foto: Julia Basso Viana/G1)
Nas operações conjuntas entre governo estadual e municipal, a polícia terá como principal trunfo câmeras de vídeo de alta resolução com giro de 360 graus, que serão colocados em pontos estratégicos.
A plataforma usada nos veículos permitirá a integração de ferramentas de análise e reconhecimentos de objetos e pessoas, que podem ser cruzados com bancos de dados da polícia.
As imagens são armazenadas nos próprios ônibus ou podem seguir para armazenamento na central. Cada uma das bases pode ser operada por até três policiais militares ou guardas-civis metropolitanos.
Ônibus com nova tecnologia é apresentado em feira de São Paulo (Foto: Julia Basso Viana/G1)
Luiz Rinaldi, Diretor de Marketing do Grupo MTEL, empresa responsável pela parte eletrônica do programa, explica que há estados em que o centro de comando da polícia já é bastante equipado e pode receber as informações do ônibus. ”Outros poderão usar a tecnologia do ônibus como base, já que nele é possível gravar ocorrências, armazenar dados e identificar cidadãos”, afirma.
Sobre o trabalho noturno, Rinaldi diz que a câmera pode reconhecer objetos e pessoas mesmo sem a iluminação ideal. “Ela faz a compensação da luminosidade local.”
Luiz Rinaldi diz que câmeras poderão fazer trabalho noturno (Foto: Julia Basso Viana/G1)
Segundo Douglas Guedes, representante da Revescap, empresa responsável pela montagem da unidade móvel, cada veículo possui seis câmeras, quatro delas externas e duas para a segurança do ônibus. “Dependendo da necessidade, é possível dar um zoom em qualquer imagem das câmeras do sistema, tanto as da viatura, quanto as que estão estrategicamente posicionadas na região da ocorrência.”
O programa ‘Crack, é possível vencer’ é uma parceria dos ministérios da Justiça, da Educação, da Saúde e do  Desenvolvimento Social, dos governos estaduais e das prefeituras. A entrega das bases móveis de segurança começa em maio.
Segundo o Ministério da Justiça, serão distribuídas 70 unidades para 27 estados, ao custo de R$ 49 milhões.
Impressões
Na feira, a unidade em demonstração atraiu visitantes e virou um dos destaques da feira. O Capitão David Gonzaga, gerente técnico de programas e projetos da secretaria de defesa pessoal de Pernambuco, afirmou que cada ônibus será usado com apoio de carros da polícia e motos em seu estado.
"[O ônibus] vai ser destinado a pontos sensíveis onde há uma proliferação do uso do crack. Pernambuco vai receber três deles. É uma ferramenta muito interessante, só vem a agregar", disse.
Já Márcio Sérgio Moreira, diretor de tecnologia da Prefeitura de Anápolis (GO), as unidades poderão ser usadas em atividades que vão além do combate. "Na verdade você pode usar [o ônibus] para grandes eventos, ou pegar um bairro que é mais complicado em termos de crack, de crimes [...] com certeza meliantes que estão por ali vão sumir, não vão voltar àquele local."
Postar um comentário