quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Guardas Civis protestam após morte de colega em Itaquaquecetuba / SP

De braços cruzados, eles pediram por melhores condições de trabalho. 
Anderson Wander Teixeira foi morto dentro de um prédio público.
Nesta terça- feira (1), após a morte de um colega dentro de um departamento da Prefeitura, guardas civis municipais de Itaquaquecetuba (SP) fizeram um protesto.

A maioria dos policiais não foi trabalhar. Além da falta de viaturas, eles denunciam a escassez de viaturas ,armamento e até de uniformes.

Revoltados com a Prefeitura, os guardas trocaram o policiamento do patrimônio municipal por cartazes e braços cruzados. “Como vamos passar segurança para alguém se nós não temos?", diz Micheli Lima, guarda civil da cidade. Nesta segunda- feira (30), o GCM Anderson Wander Teixeira, de 38 anos, foi morto a tiros durante o serviço em um espaço onde são oferecidos cursos pela Prefeitura.

Os vagabundos são dois homens que aparecem nas imagens de uma câmera de monitoramento. Na hora que tudo aconteceu o guarda policiava  sozinho o departamento da Prefeitura. Segundo os colegas, dias antes do crime a oficial estava preocupada, já que suspeitava de um carro que circulava pelo local.
O assassinato do GCM foi o estopim para a manifestação. De acordo com o guarda, Rogério Neves, eles precisam comprar a própria arma e o uniforme, pois a Prefeitura não fornece. “Além de não termos segurança, a grande maioria faz empréstimo para comprar as armas", afirma.
Os guardas ainda reclamam que cuidam sozinhos dos departamentos públicos. Além disso, o que preocupa também é a situação precária das viaturas usadas por eles no trabalho. Segundo José Aquino, que trabalha também no setor de segurança pública, os pneus estão carecas e os rádios comunicadores quebrados. “No momento as viaturas estão paradas e estamos quase sem apoio na rua".
O secretário de Segurança Pública, Geraldo Perioto, afirma que aos poucos as viaturas estão sendo consertadas e que dos 18 carros da frota, 12 estão funcionando. “Estamos colocando as coisas em dia". Sobre o armamento, o secretário afirma que é preciso renovar o convênio com a Polícia Federal.
A secretaria não deu prazo para os problemas serem resolvidos. Os GCMs disseram que nesta quarta-feira (2) iriam retornar ao trabalho. O corpo de Anderson Wander Teixeira foi enterrado durante a tarde desta terça no cemitério São Sebastião, em Itaquaquecetuba.
Postar um comentário